Feliz é fado do puro inocente. Esquecida pelo mundo que ela esqueceu…


Nada mais doque escravos… ou gado?
outubro 28, 2008, 6:38 pm
Filed under: Uncategorized

Pense bem: Você é obrigado a trabalhar 8 horas por dia, ou seja, metade do seu tempo ativo na sua vida adulta, para um sistema monetário que apesar do esforço de toda população da Terra, continua sendo negativo.
Porque todos fazem isso sem questionar?
Por que foram influenciados desde o momento que nasceram à milhões de condicionamentos mentais negativos, tanto os segmentos da culpa e do medo, como a religião, que nos influência a acreditar em um  criador que promete uma outra vida após a morte, que nos seria dada após sermos bonzinhos e obedientes aqui na terra, seguindo 10 regrinhas basícas para não sair da linha.

O herói máximo dessa linha de pensamento, foi o homem mais puro que já existiu, que continha todas as virtudes possiveis. Esse homem perfeito se fez de mártir (Um mártir, psicologicamente falando, nada mais é doque alguém que sente pena de si mesmo), carregou todo o peso do universo da humanidade nas costas dele.

Somos condicionados subconcientemente a pensar que temos uma outra vida após a morte. Então na verdade, essa vida aqui na terra, num passa de um treinamento para a vida de verdade, que nosso mártir favorito nos proporcionou. Mas…
Porque em vez de prometer uma vida em outro mundo ele não nos incitou à lutar aqui, para melhorar o AGORA?  Só um pouco suspeito…

Porque o ser humano é impuro e corruptível, nunca conseguirá ser bom o bastante. LOGO, nos condiciona a pensar que NÃO TEMOS A CAPACIDADE DE SERMOS BONS O BASTANTE PARA MODIFICARMOS O NOSSO MUNDO, E A ÚNICA COISA QUE DEVEMOS FAZER É ACEITAR NOSSO DESTINO JÁ TRAÇADO E ESPERAR JESUS VIR NOS BUSCAR, VIVENDO NOSSAS VIDAS MESQUINHAS AQUI, PAGANDO PELO NOSSO PERDÃO TODO DOMINGO A NOITE, NA COMUNHÃO DO NOSSO GRUPINHO DE ASPIRANTES A MÁRTIRES.
Jesus, nosso exemplo máximo da bondade ocidental, é ele que nos espelhamos ao escolhermos seguir o caminho do bem. Lembre-se, se vc for bom, você vai pra um outro mundo, longe de todo “sofrimento” (sofrimento? porra, a vida é perfeita demais, como eles podem castrar a humanidade assim?).
Nosso “ídolo” (PS1: Jesus hoje em dia é muito mais doque o suposto filho de deus, ele é o maior SUPERSTAR da Terra) (PS2: NINGUÉM PRECISA DE UM ÍDOLO [ odeie o pecado, não o pecador, ame o ideal, não o ídolo], oque precisamos é de bons mestres, e só até podermos andar sozinhos) máximo é um Mártir, um homem que morreu para perdoar as pessoas.
PORRA, QUANDO O SER HUMANO VAI PERCEBER QUE ELE NÃO PRECISA DO PERDÃO ALHEIO?

A única coisa que o homem precisa é estar de bem com a sua lógica, sua razão. Só isso o homem precisa para ser feliz. O próprio conceito de vida nos dá uma nova chance a cada segundo, pois o passado é APENAS e TÃO SOMENTE o passado.
A questão é que para fazer o bem só basta QUERER, e para fazer o mal o homem só precisa da DÚVIDA; Num mundo tão contrastado por mal-entendidos, subjulgamentos, preconceitos e pensamentos distintos, fica fácil advinha para qual lado o homem mais se afeiçoa.
Merda, a gente não tem como saber nada além de que chegamos aqui sem mais nem menos, e já estava tudo pronto. Simples assim. Admito que ACHO que existe um criador, mas esse criador não promete um mar de fogo, para as pessoas que andam fora da linha. Isso são somente concepções da mente humana moldada por pensamentos e desvaneios.
A realidade é que a gente não sabe e provavelmente não vai saber nunca oque existe após a morte. Um infinito porque? Para poder fazer merda nessa vida, ter a possibilidade de  se arrepender depois e gozar de uma vida deliciosamente refrescante em outro mundo?

Ninguém se importa com oque você pensa; nem eu, nem o papa, nem ney latorraca, nem edir macedo, nem deus, se ele existir.

Mas todos esses se importam com oque você faz, porque oque você faz, como indivíduo influência realidades alheias e modifica pensamentos, essa é toda a divindade que existe no homem, e VENDEMOS isso em troca de migalhas para nos sustentar; permanecemos quietos, obedientes, culpados.
Esse é só o começo.

Também tem o segmento do egoísmo, com todas as subdivisões que essa sociedade implicíta no nosso subconsciente o tempo todo. Aqui, antes sermos pessoas, somos magros, gordos, brancos, pretos, amarelos, pobres, ricos, menos ou mais dignos, bonitos e feios. Estimulando a distinção extrema, criando indivíduos psicologicamente mais fortes, as custas dos mais fracos.

Como vc pode financiar um mundo assim? Culpado você nada mais é doque um escravo.

NUNCA HOUVE TANTA ESCRAVIDÃO NO MUNDO QUANTO NOS DIAS ATUAIS!

COMO VOCÊS CONSEGUEM SABER QUE CRIANÇAS CHINESAS SÃO EXPLORADAS, QUE EXISTEM PESSOAS NA ÁFRICA QUE NÃO PODEM COMER, PORQUE PARA EXISTIR OS QUE COMEM COM FARTURA, DEVE EXISTIR OS QUE NÃO TEM NADA PARA SE ALIMENTAR.

VOCÊ É RESPONSÁVEL POR ESSA MERDA TODA NO MUNDO! É SUA CULPA! E o pior é que você sabe disso, sabe e apoia um mundo onde existem distinções, onde, para existir o belo deve existir o feio. Crianças passam fome para você poder comprar um carro do ano, e se sentir superior, mesmo sendo uma porra de um ESCRAVO.

Você sente, percebe que a culpa existe em você. Mas não quer arrancar a culpa, porque junto com ela, iriam pro lixo muitas coisas nas quais você na sua realidadezinha de bosta já se apegou. Hábitos.

E quanto mais você começar a investigar, mas você descubrirá que oque pensava ser a natureza humana, nada mais é doque o comportamento humano; INFLUENCIADO, por tudo e todos, você nada mais é doque a soma de suas partes.

E você descobrirá que precisa fazer uma escolha, talvez né, porque poucos chegam nesse nível de alto conhecimento. E então nunca mais terá um dia ruim na sua vida.

Quer tentar? Extingue qualquer culpa que você possa ter, através do auto-conhecimento, se dedique ao respeito, à responsabilidade, ao pensamento crítico e principalmente, a verdade.

Abra os olhos.

Anúncios


A arte de (não) saber fazer amigos.
outubro 25, 2008, 7:20 pm
Filed under: Uncategorized | Tags: , ,

Eu não sei conquistar alguém. Digo, sei esconder minha falta de interesses e iludir um conhecido. Mas isso, acho que qualquer pessoa que nasceu no final do século XX sabe fazer.
Talvez isso tenha virado um sistema de defesa tão grande, que para sobreviver, todos temos que fazer isso volta e meia para não naufragar nesse oceano de solidão.
Quase todos se interessam por assuntos tão banais, tipo, “X tá de caso com Y”, “xunda está traindo loxa”, “viu o ultimo capitulo da novela?”, “ai estou tão estressado ultimamente”, “meu patrão está explodindo meus pacovás”, “deus tá voltando pra castigar todo mundo”, e por aí vai.
Existe uma necessidade absurda de todos se sentirem importantes ao mesmo tempo e basicamente os grupos de amigos nada mais são do que gladiadores disputando os ouvidos alheios por meio de agressões simples e mascaradas.
A necessidade natural amar e ser amado foi subrepujada pelo impulso de se sentir importante advinda da competição baseada no prazer.
Enquanto numa relação emocional as duas partes saem ganhando, são tratadas com respeito e atenção, nessa relação baseada em razão, oque prevalece é a disputa.
Esse assunto me lembrou um filme japonês onde duas senhoras bem velhinhas se encontraram no fim de semana, e compartilhavam da mais pura conexão sem ao menos trocar palavras. Elas apenas aproveitavam a companhia uma da outra, simples assim. Elas se comunicam através do olhar… o quão raro é isso hoje?
Chega a ser surreal em um relacionamento atual onde isso aconteça hoje em dia.
A questão é que à muito tempo eu perdi o interesse nas pessoas comuns, elas me irritam, são egoístas, apáticas, fúteis, chatas e fingem que acham que são importantes, talvez essa, a caracteristica humana pós-moderna de banalizar o mundo, que me deixe tão desinteressado por elas.
Por mais que eu tente simular um interesse quase-natural nas pessoas fora do meu circulo social, eu não consigo e só passa na minha cabeça a vontade de colocar os fones nos ouvidos e me desligar do mundo.
No meio de assuntos tão sem objetivos ou com objetivos idiotas, quase que 100% classificados como disputa ou idiotice, eu não sinto prazer em fazer parte e isso me desloca, me coloca de lado.
Esse texto não significa que eu não tenha amigos ou pessoas em minha intimidade. Significa que é dificil encontrar pessoas que não foram feitas em uma forma de padaria… é difícil mas elas existem sim. Eu conheço algumas que faço que questão de manter perto de mim.

Parafraseando Gregory House, “quem mais evita os relacionamentos, é quem sabe o verdadeiro significados que eles tem na vida de um ser humano”.



Necrofilia Publicitária da Menina Eloá.
outubro 19, 2008, 5:45 pm
Filed under: Uncategorized | Tags: , , ,

Como que vocês não conseguem ver?

Sério, eu não consigo acreditar que exista ainda gente que  se sente hipnotizada pela violência. Aqui mesmo na minha casa, TODOS estão parados em frente a televisão assistindo incansáveis tópicos sobre o caso da infeliz garota que escolheu mal escolhidamente um namorado de bosta e infelizmente morreu.

Eu sinto pena da menina, claro.

Todas as pessoas fazem más escolhas na vida e volta e meia algumas trazem conclusões trágicas. Mas não vou falar sobre a menina. deixem ela descansar em paz, tadinha.

Oque me incomoda mesmo é essa fixação que o brasileiro tem por violência. Todo mundo para oque está fazendo para acompanhar as notícias super desgastadas do caso já acabado, infelizmente de uma forma negativa. Notícias que todos já sabem quais são. Mas porque as pessoas continuam nesse hipnotismo? Estão esperando oque? que a menina volte a viver?

Infelizmente não. Oque elas estão esperando é: Ver os pais chorando na televisão, ver o infeliz, covarde e psicopata do namorado da Eloá ser morto na cadeia, para ser mais claro, ver MAIS VIOLÊNCIA.

Não é compadecimento. As pessoas ficam em cima que nem urubu voando sobre a carniça, só olhando enquanto os chacais comem o resto apodrecido doque sobrou…

Pior doque isso são os canais de televisão, que exploram esse desejo de violência cultivado dentro do cidadão comum ao máximo. Fazem entrevistas com o pai da amiga da menina, perguntam coisas extremamente idiotas e premeditadas para arrancar um choro sofrido ao telefone. Tentando levar seu público ao delírio. Ao extase supremo. Claro, pessoas se sentem hipnotizadas ao ver um choro desesperado, seu falso sentimento de indignação  ressucita dentro da alma que não consegue ver oque está acontecendo.

Nesse fuzue todo, eles continuam explorando o corpo sem vida da menina Eloá, em troca de alguns pontos no Ibope, nessa necrofilia sem fim.

Respeito? oque é isso? essa palavra não existe no nosso Aurélio.

“O mundo só conhecerá a paz quando o ser humano não mais se maravilhar com violência.”

obs: alguém se lembra de um caso de um menina que foi jogada da sacada do prédio? cadê nossos brasileiros revoltados? será que já esqueceram ou escolheram outra carniça?



O Tempo.
outubro 15, 2008, 3:37 pm
Filed under: complexidade | Tags: , , ,
tempo

A inteligência prepara uma ação do corpo no mundo e, portanto, destina-se a medir, calcular, prever, para que o uso de símbolos e a fragmentação do tempo em instantes imóveis no espaço sejam necessários.

Tempo é o maior inimigo do homem. A partir do momento que o tempo virou produto de comércio, isto é pode ser trocado e vendido, poucos homens conheceram a paz.
Aprendemos quase que desde que nascemos que tudo tem hora, que o tempo tem que ser classificado para o melhor produtividade da vida. Essa é a palavra, produtividade. A somos escravos dela, consequentemente do tempo. Aprendemos também que devemos vender nossa vida para podermos nos manter através do trabalho, não somos oque somos, somos nossa profissão.
José, o arquiteto, Claudio, o marceneiro, Bruna, a publicitária.
Cadê o Roberto, o homem apaixonado por sorvete? A Roberta, leitora assídua de Camões? Esses são secundários, o mundo sério, real não tem espaço pra eles.
Qualidade de vida não pode ser comprada, tem que ser conquistada e essa é a verdade que esse mundo sujo não quer que você saiba. Porque afinal, eles precisam de trabalhadores e não de apreciadores de sorvete ou amantes do por do sol. Somos descartáveis, somos estatística. Devemos deixar os ricos mais ricos, essa é nossa missão. E em troca ganhamos vestígios de tecnologia. Migalhas de infraestrutura, falsamente chamados de qualidade de vida.

Quem sou eu para ensinar alguma coisa, mas, se me dão o direto de passar uma coisa que eu aprendi com a vida é: Mate o tempo. Aprenda a não percebe-lo. Tente viver completamente oque você está fazendo sem controlar o exterior. Leia sem pensar que a novela começa daqui a trinta minutos, jante sem pensar que você deve comer rápido, porque está atrasado para dormir, porque amanhã você deve acordar cedo. Descubra que qualidade nada tem a ver tempo gasto. Não existe essa relação de custo-temporal e benifício. Oque é bom não depende de nada para ser bom, uma amizade não precisa de 30 segundos ou 2 anos para nascer. Ela vai acontecer quando as duas partes estiverem preparadas e o tempo nada tem haver com isso.

Como bem disse o soberbo Einstein: “Somente tolos são enganados pela ilusão do tempo”. Acho que vivemos em um mundo de tolos, não?

basicamente,

se você percebe que o dia passou rápido, você pensou pouco e/ou agiu muito.
se percebe que o dia passou devagar, você pensou muito e/ou agiu pouco.
se você não se importa com isso, você viveu o seu dia.

;D