Feliz é fado do puro inocente. Esquecida pelo mundo que ela esqueceu…



O Tempo.
outubro 15, 2008, 3:37 pm
Filed under: complexidade | Tags: , , ,
tempo

A inteligência prepara uma ação do corpo no mundo e, portanto, destina-se a medir, calcular, prever, para que o uso de símbolos e a fragmentação do tempo em instantes imóveis no espaço sejam necessários.

Tempo é o maior inimigo do homem. A partir do momento que o tempo virou produto de comércio, isto é pode ser trocado e vendido, poucos homens conheceram a paz.
Aprendemos quase que desde que nascemos que tudo tem hora, que o tempo tem que ser classificado para o melhor produtividade da vida. Essa é a palavra, produtividade. A somos escravos dela, consequentemente do tempo. Aprendemos também que devemos vender nossa vida para podermos nos manter através do trabalho, não somos oque somos, somos nossa profissão.
José, o arquiteto, Claudio, o marceneiro, Bruna, a publicitária.
Cadê o Roberto, o homem apaixonado por sorvete? A Roberta, leitora assídua de Camões? Esses são secundários, o mundo sério, real não tem espaço pra eles.
Qualidade de vida não pode ser comprada, tem que ser conquistada e essa é a verdade que esse mundo sujo não quer que você saiba. Porque afinal, eles precisam de trabalhadores e não de apreciadores de sorvete ou amantes do por do sol. Somos descartáveis, somos estatística. Devemos deixar os ricos mais ricos, essa é nossa missão. E em troca ganhamos vestígios de tecnologia. Migalhas de infraestrutura, falsamente chamados de qualidade de vida.

Quem sou eu para ensinar alguma coisa, mas, se me dão o direto de passar uma coisa que eu aprendi com a vida é: Mate o tempo. Aprenda a não percebe-lo. Tente viver completamente oque você está fazendo sem controlar o exterior. Leia sem pensar que a novela começa daqui a trinta minutos, jante sem pensar que você deve comer rápido, porque está atrasado para dormir, porque amanhã você deve acordar cedo. Descubra que qualidade nada tem a ver tempo gasto. Não existe essa relação de custo-temporal e benifício. Oque é bom não depende de nada para ser bom, uma amizade não precisa de 30 segundos ou 2 anos para nascer. Ela vai acontecer quando as duas partes estiverem preparadas e o tempo nada tem haver com isso.

Como bem disse o soberbo Einstein: “Somente tolos são enganados pela ilusão do tempo”. Acho que vivemos em um mundo de tolos, não?

basicamente,

se você percebe que o dia passou rápido, você pensou pouco e/ou agiu muito.
se percebe que o dia passou devagar, você pensou muito e/ou agiu pouco.
se você não se importa com isso, você viveu o seu dia.

;D



Saber ver.
setembro 24, 2008, 12:58 am
Filed under: complexidade | Tags: , , , , ,

Saber ver é um dos processos mais difíceis nos dias de hoje, pois estamos extremamente acostumados à julgar tudo e todos a todo o tempo.
Nossa cultura, nossa realidade linear-cartesiana foi montada em cima da percepção visual, enquanto matamos pouco a pouco os outros sentidos.
Hoje em dia não sabemos comer, não sabemos cheirar, não sabemos tocar e sentir, e pior de tudo, não sabemos ouvir. Não sabemos ouvir o outro, não conseguimos nos atentar a informações sem pré-julgar. Não sabemos mais ouvir música.
O parágrafo anterior foi apenas para salientar o quanto deixamos de lado os outros sentidos na nossa percepção do mundo, então, não era de se espantar que nossa capacidade de visão ficasse saturada também. Com o tempo, perdemos a capacidade de nos concetrarmos totalmente no objetivo, pois desde o primeiro instante já estamos julgando o objeto/pessoa procurando padrões aos quais poderiamos classifica-lo.
Temos medo de chegar no final da experiência e estarmos vazios de opnião. Nos tornamos escravos de nossas próprias mentes e nem percebemos isso.

Não somos livres. Liberdade é, como bem disse algum filósofo bem sagaz é o espaço de tempo que nos permitimos pensar, entre o impulso questionativo e a resposta que apresentamos.

Se vemos uma pessoa diferente, já analisamos todas as suas características, tentando encontrar padrões classificativos, para saber como lidaremos com ela. Esse é o comportamento natural da nossa sociedade. Mas a verdade é que somos enganados o tempo todo por esses padrões extremamente simples que julgamos coerentes na nossa forma de lidar com o mundo. A verdade é que não enjoamos de dar com a cabeça na parede. Sempre arriscamos mais uma vez, pois na próxima, com certeza vou acertar meu pré-julgamento!

Como bem dizia Fernando Pessoa:

O essencial é saber ver,
Saber ver sem estar a pensar,
Saber ver quando se vê,
E nem pensar quando se vê
Nem ver quando se pensa.

Mas isso (tristes de nós, que trazemos a alma vestida!),
Isso exige um estudo profundo,
Uma aprendizagem de desaprender.

Oque ele provavelmente quis dizer é que simplismente não tem como ver e pensar ao mesmo tempo, nem fazer qualquer outra coisa. Devemos reaprender a nos concentrar 100% ao que estamos fazendo, durante todo o dia. A paz se encontra no aqui/agora, no presente.

E o presente, nos ultimos tempos está tão difícil de se perceber…